terça-feira, 28 de maio de 2013


O CORRUTOR

 

Públio José – jornalista


               

                                   Os países em geral, e o Brasil em particular, têm enfrentado verdadeiros terremotos em seus sistemas políticos por conta da corrução. Qual célula cancerosa infectando o corpo humano, a corrução se insere no contexto da administração pública, tornando-se praticamente impossível, a cada dia que passa, o combate à sua manifestação e às conseqüências dos seus atos. A imprensa tem denunciado o surgimento de focos de corrução, por menores que sejam, vivendo seu papel de guardiã do processo democrático. Mesmo assim, episódios dolorosos e de magnitude variada têm se repetido com freqüência cada vez maior na vida das nações, envolvendo, de roldão, governos, partidos políticos e até empresas privadas. O resultado? Renúncias, demissões, desonra – e morte até, conseqüências extremamente prejudiciais ao funcionamento das instituições.
                                   Em todo esse processo tem ficado bem patente, bem visível, a pessoa do corruto. Do político, do alto funcionário público, principalmente dos que administram polpudos orçamentos, ou dos que estão posicionados bem no centro das grandes decisões. O corruto, aquele que aparece em primeiro plano quando a denúncia explode, vai para as primeiras páginas dos jornais, para o horário nobre dos grandes noticiários de tv, para as páginas centrais das grandes revistas, quando, na verdade, ele se constitui tão somente a ponta do iceberg, o porta-estrandarte de um grande esquema. Ou você imagina que um porta-estandarte sairia sozinho na avenida para defender as cores de sua escola? A investigação deveria ir mais além, ao cerne da questão. Mas não vai. Fica na periferia, na instância do jogo miúdo, no universo dos jogadores de pequeno porte. Dificilmente chega ao epicentro, ao coração do sistema – ao corrutor.
                                  Interessante é observar, também, a sanha e a ira dos que acusam o corruto. Meses e meses ele é execrado, apontado, perseguido, acusado muitas vezes até pelo que não praticou. Enquanto isso, lendas, mitos, distorções vão se agregando à investigação do processo, criando, com o passar do tempo, dificuldades cada vez maiores para se chegar aonde todo mundo quer chegar: ao corrutor – aquele que deu início a tudo. Ou como se pode imaginar um funcionário subalterno intermediando negócios que envolvem milhões e milhões de dólares sem ter, atrás de si, a segurança e a garantia de que o proposto será fielmente cumprido? E também como receber alguém em uma negociação não estando seguro do poder que essa pessoa representa? Você negocia com quem não está autorizado para tanto?
                                   Ah, o corrutor! Vive nas sombras, plantando, insinuando, se inserindo, doutrinando – e manchando todo lugar com a planta de seus pés. O tempo passa, os processos se avolumam, os corrutos aparecem e desaparecem no noticiário, o país segue seu caminho, mas o corrutor continua lá, impassível, invisível, empoleirado no poder, acobertado pelas circunstâncias. Seu objetivo é ganhar dinheiro – sempre. Para tanto, envolve pessoas, mente, distorce, adultera. Desvia a merenda de crianças pobres, os remédios dos idosos carentes e o leite de populações indefesas. De quebra, joga o país na rua da amargura e as instituições num redemoinho sem fim. Pensando bem, quem é tal figura? Um mero sabichão? Um fruto degenerado da natureza humana? Ou uma disfunção do organismo político? É difícil a conclusão. Do corrutor, lamentavelmente, não se sabe quase nada. Somente as conseqüências daninhas da sua “lucrativa” atividade.   

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    Teremos o maior prazer em receber seu comentário.